Com quantas palavras se faz uma Bienal do Livro?

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

..........................................................................................................................

A Bienal do Livro é o meu evento preferido do ano. É maravilhoso deixar a realidade esperando um pouquinho lá fora e atravessar aquele portão rumo a uma cidade paralela, onde as ruas têm cheiro de carpete e celulose... onde as casas são imensas construções coloridas apelidadas de estandes.

A Bienal do Livro é como coração de mãe: dentro dela sempre cabe mais um. Eu estive lá, eu contei. De um em um, contei dez, cem, mil. Até que perdi as contas. Era muita gente, só isso que digo. Uma multidão reunida para celebrar a literatura em todas as suas formas, seja clássica ou popular, feita para rir ou chorar, para encantar com versos, quadrinhos e palavras, muitas palavras. Aliás, com quantas palavras se faz uma Bienal do Livro? Se fosse possível contar todas as palavras de todas as páginas de todos aqueles livros empilhados aos montes... quantas palavras teríamos, afinal?

Sou engenheira. Gosto de números. Gosto de contar. Este texto, por exemplo. Se eu quiser, posso contar quantas palavras este texto tem. Você duvida? Fragmentado até a vírgula que vou digitar exatamente agora, este texto é um conjunto de 184 palavras. Pronto, contei.

Sou engenheira, mas não sou boba. Sei que não posso contar tudo que quero. Minha professora de matemática certa vez me ensinou que os conjuntos se dividem em contáveis e incontáveis, finitos e infinitos. Foi nessa época, aliás, que comecei a me interessar por literatura.

Na literatura não existe frustração aritmética, não existe divisão de conjuntos, dois pra lá, dois pra cá, não existe certo e errado. Na literatura existe apenas o que não se pode contar. Sério. Não se deixe enganar: a literatura é por natureza incontável, até quando contar parece possível. Aquelas 184 palavras que contei agora há pouco podem ser dez, podem ser mil. Tudo depende do tamanho da imaginação do leitor, da mensagem que transcende as letras. A literatura é um infinito cheio de pontos finais.


Carol Sabar


10 comentários :

Criando Estórias disse...

Que texto LINDO! <3

Fernαnda Medeiros disse...

Maravilhoso!

Thyl Guerra disse...

Nossa! Lindo texto! Adorei! :)
Parabéns e muito sucesso sempre.
Bjs
Thyl
@viajandpalavras
viajandocompalavras.com

Irene Moreira disse...

#Emocionou #Encantou
Amei seu texto do início ao fim.
Realmente a "Literatura é incontável" e o que não falta é imaginação para os leitores.

Parabéns Carol!

Beijos no seu coração

Saleta de Leitura

Bruninha Pattinson disse...

lindo. Amei. verdadeiramente você falou tudo....

Gabriela Vieira disse...

Amei o texto, achei perfeito... Mas o que se pode esperar da Carol se não a perfeição com as palavras!
Beijos

Laura Lima disse...

Muitooo Bommm!!

Michela Delgado disse...

Amei cada palavra.
Ficou perfeito!!!!
:D

Nica disse...

ARRASOU!!!!!!!!!!!!!!!
Carol, vc falou tudo nesse texto. A literatura é uma caixinha de infinitas possibilidades e de diferentes apreciações!
Beijos
Nica

Andrea Galvão disse...

Eu adorei o texto, realmente muito lindo! A literatura realmente não pode ser contada, ela não é uma arte exata que nem a matemática. Uma palavra pode nos fazer vir à cabeça muitas emoções - diversas palavras diferentes - e a combinação delas, então, nem se fala!
Beijos,
Own Mine

Postar um comentário