Dois fins

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

..........................................................................................................................

Foram tantas idas e vindas que acharam por bem terminar de vez. Incompatibilidade de gênios, o caso era esse, o caso era grave, namoro impossível. “Pra mim já deu”, foi ele quem disse. Ou talvez tenha sido ela, não sei, ninguém sabe. Nem eles. Foram tantos verbos machucados, tantos gestos e gritos e lágrimas que do instante do fim outro instante se fez e mais outro e mais outro... Horas inteiras num vaivém de gestos e gritos e lágrimas. E palavras. Deus, quantas palavras! Palavras que se multiplicavam, que se agigantavam, que então explodiam e se despedaçavam noutras palavras a ponto de eles nem saberem mais que palavras tinham dito. Até que, enfim, terminaram. Exaustos. E foi cada um pro seu canto, cada um com seu gênio, cada um levando embora sua verdadeira versão do fim. Duas versões. Incompatíveis, é claro. 

Carol Sabar


Um comentário :

Anônimo disse...

Oie!
Nada poderia ser mais verdade. Toda discussão sempre tem os dois lados e a gente sempre pensa que o nosso é o correto.

Ótimo texto, Carol.

Bjs Gê

Postar um comentário